19 de dez de 2010

QUANDO O CRENTE NÃO ORA



“Então, aqueles homens israelitas tomaram da sua provisão e não pediram conselho à boca do Senhor” (Josué 9:14).

VERDADE PRÁTICA: A falta de oração na vida dos crentes leva-os a decisões precipitadas.

LEITURA BÍBLICA: Jonas 1:1-15.

INTRODUÇÃO

Os benefícios de uma vida de oração são, de algum modo, conhecidos pela maioria dos crentes. Em geral, quando se estuda sobre oração, esses benefícios são destacados. É necessário que o cristão esteja ciente dos efeitos adversos na vida de quem é relapso nessa área. Há bênçãos divinas para os que se propõem a orar com regularidade e afinco; há também conseqüências desastrosas para aqueles que são negligentes nessa prática.

I – QUANDO O HOMEM ORA, MAS NÃO OBEDECE

  1. Jonas desobedece a Deus. Jonas é um exemplo do crente que não quer fazer a vontade de Deus. É de se esperar que um homem chamado por Deus dependa exclusivamente dEle para realizar o trabalho proposto. Todavia, como Jonas, muitos decidem por si mesmos o que fazer e o modo como fazer. Esquecem-se de buscar a direção do Senhor que os chamou, pois querem seguir a sua própria vontade.
  2. Jonas foge da presença de Deus. Jonas tinha comunhão com Deus, conhecia a vontade do Senhor e sabia exatamente o lugar para o qual Deus o tinha chamado. Todavia, decidiu, por conta própria ir para outro lugar, longe da presença do Senhor (Jonas 1:3). A desobediência de Jonas quase causou a morte de todos no navio. Através desse episódio, aprendemos que a nossa desobediência pode trazer prejuízos àqueles que estão próximos de nós. Ouça e obedeça à voz de Deus!
  3. Jonas é jogado ao mar. Jonas estava consciente da sua desobediência. Ele sabia que a tempestade era por sua causa, por isso, não hesitou em dizer: “lançai-me ao mar”. Jonas tentava fugir da presença de Deus (Jonas 1:12). Se não fosse a intervenção milagrosa do Senhor, ele teria perecido. Dentro da barriga do grande peixe, Jonas clamou a Deus. O Senhor que é grande em misericórdia, e está sempre disposto a perdoar, ouviu sua oração (Jonas 2:1-9). Jonas teve de ir parar no ventre de um grande peixe para aprender a respeito da obediência. Pare um instante e reflita: O que é necessário acontecer em sua vida para que você se disponha a obedecer a Deus e ter uma vida de oração? Não seja como Jonas!

II – DEIXANDO DE BUSCAR A DIREÇÃO DE DEUS

  1. Josué. Quando o povo de Israel estava se estabelecendo na terra que o Senhor havia prometido a seus pais, os moradores de Gibeão, com astúcia, vieram até Josué para fazer um acordo de paz (Josué 9:1-15). Josué e os líderes do povo cometeram um grave erro: não buscaram o conselho de Deus (v. 14). Assim, sem orar e buscar a direção divina, fizeram um concerto com os gibeonitas. Essa decisão imprudente trouxe os cananeus para dentro de Israel. Além disso, o povo de Deus precisou entrar em guerra para honrar o pacto que havia feito fora da direção do Senhor, a fim de proteger aqueles que os haviam enganado (Josué 10:6-11).
  2. Davi. Davi foi um homem que procurou viver em comunhão com o Senhor. Mas ele também teve seus deslizes, e por vezes, esta comunhão foi interrompida. Certa ocasião, Davi não consultou ao Senhor quando resolveu fazer um censo (2 Samuel 24:1-25). Talvez o rei quisesse orgulhar-se do seu poderio militar. Todavia, quando o censo terminou, Davi sentiu-se mal e declarou: “Muito pequei no que fiz” (v. 10). Davi caiu em si. Então, clamou ao Senhor pedindo-lhe seu perdão. Quando um homem não busca a direção de Deus, coloca-se em situações bastante desagradáveis e perigosas causando prejuízo a outras pessoas. A atitude errada de Davi fez com que setenta mil homens perdessem a vida (v. 15).
  3. Sara. Deus havia prometido um filho para Abraão e Sara (Gênesis 15:4). Tendo aguardado a promessa por muito tempo, Sara foi vencida pela impaciência. Ela quis agir por conta própria, tentando passar à frente de Deus. Sara, não orou buscando a direção de Deus ao prover um filho para Abraão através de Agar, sua serva. A precipitação de Sara causou-lhe uma série de problemas (Gênesis 16:5).

III – BUSCANDO CONSELHOS EM OUTRO LUGAR

  1. Acazias. O reinado de Acazias sobre Israel foi caracterizado pela iniqüidade. Ele abertamente desprezou o Deus de Davi, servindo a Baal-Zebube. Acazias após cair do alto de sua casa em Samaria ficou doente e recorreu a Baal-Zebube, a quem mandou perguntar se sararia de sua doença (2 Reis 1:2). Um homem que se afasta dos caminhos do Senhor chega a extremos inimagináveis, a ponto de consultar um deus sem condições de salvar ou de responder (Salmos 115:4-8). Por intermédio do profeta Elias, Deus perguntou a Acazias: “Porventura, não há Deus em Israel, para que mandes consultar a Baal-Zebube, deus de Ecrom?” (2 Reis 1:6). Acazias não temia ao Senhor e morreu em consequência da sua enfermidade.
  2. Saul. Após a morte de Samuel, quando os filisteus se reuniram para uma batalha contra Israel, Saul resolveu consultar uma pitonisa, uma adivinha, que entrava em contato com espíritos demoníacos, para saber se deveria ou não entrar na guerra. (1 Samuel 28:7,8). Mais uma vez, pode-se depreender o profundo abismo no qual o homem sem Deus cai, de modo que aceita buscar conselhos em qualquer lugar, inclusive de agentes do inferno. Horóscopo, espiritismo, adivinhações, isso tudo é condenado pela Palavra de Deus (Deuteronômio 18:9-12; Levítico 19:26,31; 20:6). Através da oração e do estudo da Bíblia, o crente é dirigido por Deus, não necessitando de nenhum subterfúgio para encontrar o caminho a seguir.
  3. Roboão. Depois da morte de Salomão, Roboão tornou-se rei. Ele não procurou seguir o exemplo de seu pai, que pediu a Deus sabedoria para governar. Roboão, além de não orar e de não buscar os conselhos divinos, preferiu seguir os conselhos insensatos de seus amigos (1 Reis 12:8).

CONCLUSÃO

A falta de oração e da busca constante pela vontade de Deus levam o homem a uma vida que prejudica a si próprio e aos que o rodeiam, principalmente se este homem é um líder. Que o Senhor em sua infinita misericórdia, nos dê forças espirituais para estar sempre aos seus pés, em oração, buscando sua direção para nossa vida e para o desenvolvimento do trabalho que ele colocou em nossas mãos. Ele está sempre disposto a ouvir e atender àquele que o busca de coração (Jeremias 23:13).

REFLEXÃO: “Paralelamente à oração convicta deve estar a ação constante.” (Roberto Brandt e Zenas Bicket)

REFLEXÃO: “Nosso Deus não tem nada a ver com divindades como Baal, que não podem dar resposta mesmo que seus pretensos profetas a busquem com a maior intensidade e importunação.” (Robert Brandt e Zenas Bicket)

RESPONDA

  1. O que podemos aprender através da desobediência do profeta Jonas?
  2. Qual o resultado da atitude impensada de Devi ao realizar o censo?
  3. Cite três exemplos, de acordo com a lição, de homens que buscaram conselhos, mas não de Deus.
  4. Após a morte de Samuel, onde Saul buscou a direção para o seu governo?
  5. Mencione os meios pelos quais o homem pode buscar a direção de Deus.

VOCABULÁRIO

Subterfúgio: Pretexto, evasiva.

Poderio: Autoridade, domínio, poder.

Fonte: Lições Bíblicas - 4º Trimestre de 2010 - Jovens e Adultos
Casa Publicadora das Assembléias de Deus - CPAD

Carinho e amor
Fernanda

Um comentário:

Francisco Araújo Netto disse...

Cara Fernanda, paz e parabéns pelo blg. Gostei mesmo e vou adicionar na minha lista de blogs favoritos...

Att.,
http://wwwteologiavivaeeficaz.blogspot.com/

Profº Netto, F.A.