30 de jan de 2015

Cobiça...

GRATIDÃO CONTRA A COBIÇA

“Não cobiçarás...”
Ex 20.17

A cobiça é um dos pecados mais graves que um ser humano pode cometer. É um câncer silencioso que possui um poder altamente destrutivo. O veneno da cobiça é letal e mata milhares de pessoas todos os dias. Não podemos brincar com um pecado tão pernicioso e nocivo como esse. A cobiça atinge ricos e pobres, velhos e jovens, religiosos e ateus. Esse é um mal arraigado nas profundezas obscuras do coração humano.

O único antídoto contra a cobiça é um coração novo e transformado pelo evangelho de Cristo. Só assim o homem terá condições de manifestar gratidão e contentamento por tudo aquilo que lhe é concedido pelas mãos de Deus. Vale salientar, entretanto, que o mandamento sagrado não está reprovando o desejo legítimo de possuir e conquistar alguma coisa como fruto da bênção de Deus e do trabalho.

O que é combatido, à luz dessa afirmativa divina, é o problema da avareza, da inveja, dos desejos impuros desenfreados e, sobretudo, do sentimento ou da atitude de ingratidão para com o nosso Deus. Que o Senhor tenha misericórdia de nós, e nos faça viver felizes e gratos com tudo o que ele nos concede, bem como com as bênçãos auferidas também pelos nossos semelhantes.

Referência para leitura: 1 Coríntios 10.1-13
http://lpc.org.br/cada-dia/

26 de jan de 2015

Nossa Igreja....

https://www.facebook.com/igrejapresbjddasoliveiras?ref=hl

PRESERVANDO A VIDA...

 “Não matarás” Ex 20.13

É triste constatarmos que a vida humana está sendo drasticamente desvalorizada em nossos dias. Todos os anos crescem as estatísticas dos assassinados por motivos fúteis em nossa nação. Milhares de vidas estão sendo ceifadas mesmo à luz do dia nos grandes centros urbanos e também nos mais remotos rincões. A violência é o tema mais explorado pela mídia. Nossas ruas estão se transformando em campos de sangue.
Qual seria a solução definitiva para essa crise de segurança pública que está estabelecida no nosso país e no mundo? Alguns argumentam que precisamos reduzir a maioridade penal e termos leis mais severas; outros ainda acreditam que precisamos construir mais presídios. Há aqueles que dizem que a solução está na educação e na justa distribuição de renda. Porém, à luz da Palavra de Deus, aprendemos que precisamos tratar a causa e não os sintomas. A raiz de toda essa onda de crimes e assassinatos é a falta de temor a Deus e de obediência à sua lei que diz: “Não matarás”.
Precisamos resgatar a verdade axiomática de que somente Deus é o dono e o autor da vida e só ele pode tirar a vida (1Sm 2.6). A quebra do sexto mandamento é uma usurpação indébita de um atribuição exclusiva de Deus. Só Deus tem autoridade para dar a vida e para tirar a vida.
(Fonte: Devocionário Cada Dia - Diogo Jorge Gonçalo)

25 de jan de 2015

Lista de convidados...

…ao dares um banquete, convida os pobres, os aleijados, os coxos e os cegos; e serás bem-aventurado… —Lucas 14:13-14


Qumran foi uma comunidade judaica do primeiro século que se isolou das influências externas para se preparar para a chegada do Messias. Eles tiveram grande cuidado com a vida religiosa, lavagens cerimoniais e estrita observação às regras de conduta. Documentos remanescentes mostram que eles não permitiam coxos, cegos e aleijados em suas comunidades; baseavam-se em suas próprias convicções de que qualquer um que tivesse um “defeito” físico era cerimonialmente impuro. Na comunhão ao redor da mesa, os inválidos nunca participavam como convidados.
Ironicamente, naquela mesma época, o Messias de Israel trabalhava nas cidades e vilas da Judeia e Galileia. Jesus proclamou o reino de Seu Pai, trouxe ensino e conforto, e realizou poderosos milagres. Corajosamente, o Senhor proclamou: “Antes, ao dares um banquete, convida os pobres, os aleijados, os coxos e os cegos; e serás bem-aventurado…”( Lucas 14:13-14).
O contraste entre as palavras de Jesus e a lista da “elite espiritual” dos convidados de Qumran nos ensina. Com frequência, gostamos de nos sentar à mesa com pessoas que pareçam, pensem, e ajam como nós. Mas nosso Deus nos exorta a ser como Ele e a abrirmos as nossas portas a todos.
O evangelho inclusivo não pode ser partilhado por um povo exclusivo. —George Sweeting
Fonte: http://paodiario.org/2015/01/lista-de-convidados-2/

23 de jan de 2015

Palavras sadias...

Não saia da vossa boca nenhuma palavra torpe, e sim unicamente a que for boa para edificação, conforme a necessidade… —Efésios 4:29

Algum tempo atrás, uma atriz vencedora do prêmio Emmy posicionou-se corajosamente ao sair no meio da cerimônia do Prêmio Anual de Música Americana. Sua razão? Ela ficou cada vez mais chateada e desapontada pelo que ela descreve como “uma investida de piadas indecentes e de comentários indecorosos” e observações cruas e atrevidas dos apresentadores, artistas e anfitriões. Ela disse que a noite foi uma afronta a qualquer pessoa com o mínimo de dignidade e autorrespeito.
O discurso inconveniente era um problema até mesmo nos dias do apóstolo Paulo. Ele lembrou os cristãos em Éfeso que deveriam despojar-se da vulgaridade, lascívia, calúnias, e linguagem obscena de suas vidas (Efésios 5:4; Colossenses 3:8). Estas eram as expressões de suas vidas antes da justificação (1 Coríntios 6:9-11), e tais expressões, já não tinham lugar em sua nova identidade em Cristo. Em vez disso, as suas vidas seriam caracterizadas pelo discurso íntegro. Suas palavras de edificação dariam graça aos ouvintes. O Espírito Santo os ajudaria a guardar as suas palavras, os convenceria do discurso inadequado e os ajudaria a usar palavras para beneficiar outros (João 16:7-13).
Fomos chamados a demonstrar a presença de Deus com tudo o que somos, e isso inclui nossas palavras. Que nossas bocas possam estar repletas de gratidão e palavras que edifiquem aos outros.
Uma vida transformada reflete palavras que edificam.
Fonte: www.ministeriosrbc.com.br

22 de jan de 2015

Escolha seu Deus...

Hoje, como nos dias de Josué, há muitas opções. Há, contudo, somente uma escolha sábia — o Deus verdadeiro. Josué fez a escolha certa. “…serviremos ao Senhor”.

21 de jan de 2015

Braços abertos....

…Vinha ele ainda longe, quando seu pai o avistou, e, compadecido dele, correndo, o abraçou, e beijou. —Lucas 15:20
os EUA Betty Ford, seu filho Estêvão disse: “ela era a que tinha o amor e o consolo, e era a primeira a abraçá-lo. Dezenove anos atrás quando afundei no alcoolismo, minha mãe… deu-me um dos maiores presentes, e mostrou-me o que significava render-se a Deus e aceitar a Sua graça em minha vida. E nos braços dela senti-me verdadeiramente como o filho pródigo voltando ao lar, e pude sentir o amor de Deus por meio do amor de minha mãe. E foi um bom presente.”
A parábola de Jesus sobre um jovem que pediu e desperdiçou sua herança e em seguida humildemente voltou ao lar nos deixa maravilhados com a reação de seu pai: “…Vinha ele ainda longe, quando seu pai o avistou, e, compadecido dele, correndo, o abraçou, e beijou”(Lucas 15:20). Em vez de um sermão ou uma punição, o pai expressou amor e perdão ao dar-lhe uma festa. Por quê? “…porque este meu filho estava morto e reviveu, estava perdido e foi achado…” (v.24)
O filho concluiu o tributo à mãe com as palavras: “Obrigado, mãe, por nos amar, amar seu marido, seus filhos e a nação, com o amor de Deus.”
Que Deus possa nos capacitar a estendermos os nossos braços aos outros, assim como os dele estão abertos a todos os que se voltam a Ele.
Os pecadores perdoados conhecem o amor e o demonstram.
Fonte: http://paodiario.org/2015/01/bra%C3%A7os-abertos-2/

19 de jan de 2015

O perigo da idolatria...


19 de Janeiro de 2015
O PERIGO DA IDOLATRIA

“Eu, o Senhor,
sou Deus zeloso...”
Ex 20.5

Deus escolheu para si um povo peculiar e fez com ele uma aliança eterna. Ele é o nosso Deus e nós somos o seu povo. O nosso Deus é zeloso e anseia por nós com ciúmes. Ele não nos divide com ninguém. O contexto em que este texto aparece deve nos levar a uma profunda reflexão. Ao destacar o zelo de Deus, o Espírito Santo está nos mostrando que, em virtude do amor incomparável e redentor de Deus pelo seu povo, ele não admite em hipótese alguma a presença de ídolos, ícones e imagens de escultura no contexto da adoração que lhe prestamos.

Na continuação do versículo, vemos que a idolatria é um mal terrível. Esse mal se estende e se alastra como fogo em rastilho de pólvora, passando de geração a geração. Esse fato pode ser constatado ao vermos que, no Brasil e no mundo inteiro, milhões de pessoas ainda se prostram diante de imagens para venerá-las. É importante ressaltar que essa prática não ficará sem o juízo divino, mesmo que seja na terceira e quarta geração (Ex 20.5).

A idolatria é uma abominação diante de Deus, pois provoca o zelo de Deus e desemboca na ira de Deus. Jamais uma imagem visível pode representar o Deus invisível. Jamais uma imagem tangível pode representar a Deus, que é espírito. Deus busca adoradores que o adorem em espírito e em verdade.

Referência para leitura: Tiago 4.1-10

http://lpc.org.br/cada-dia/

17 de jan de 2015

Problema...

…No mundo, passais por aflições; mas tende bom ânimo; eu venci o mundo. —João 16:33
Read: João 16:25-33 | Bible in a Year: Gênesis 41–42
Mateus 12:1-23
Estava contente por ver os últimos dias do ano se aproximarem. O ano tinha sido de muito pesar, doenças e tristezas. Sentia-me pronta para acolher o mês de janeiro com toda a pompa que tinha direito!
Mas ao chegar o primeiro mês do novo ano, vieram também as más notícias, uma após outra. Diversos amigos perderam seus pais. O irmão do meu pai morreu enquanto dormia. Outros amigos descobriram que tinham câncer. O irmão de um colega e o filho de um amigo morreram, ambos, trágica e abruptamente. Ao invés de os tempos tristes cessarem, o novo ano parecia trazer um novo tsunami de tristezas.
O livro de João 16:33 nos diz, “…No mundo, passais por aflições…” Nem mesmo aos filhos de Deus foi prometida uma vida de facilidades, prosperidade ou boa saúde. No entanto, nunca estamos sozinhos em nossas tribulações. O livro de Isaías 43:2 lembra-nos que mesmo que atravessemos águas profundas, Deus está conosco. Embora nem sempre entendamos os propósitos de Deus nas provações que enfrentamos, podemos confiar em Seu coração porque nós o conhecemos.
Nosso Deus é um Deus de amor abundante e “…nem a morte, nem a vida […] nem as coisas do presente, nem do porvir [nunca poderá] separar-nos do amor de Deus, que está em Cristo Jesus, nosso Senhor” (Romanos 8:38-39). Quando a aflição vier, a promessa de Deus é estar presente.
Fé é acreditar que Deus está presente quando ouvimos apenas o silêncio.

16 de jan de 2015

Mensagem do dia...


ADORANDO AO ÚNICO DEUS


 “Não terás outros deuses diante de mim” Ex 20.3
Os dez mandamentos devem ser alvo da nossa mais profunda, legítima e abundante reflexão. Eles devem ocupar o nosso pensamento e fazer parte do nosso viver diário, seja no âmbito pessoal, familiar ou mesmo eclesiástico. Portanto, refletindo mais um pouco neste primeiro, fundamental e precioso mandamento da lei divina, iremos perceber que ele nos exorta a, não só, abrirmos mão da prática de uma adoração politeísta e pagã, mas, sobretudo, nos conclama e nos desafia a adorarmos ao Deus verdadeiro, único e Todo-poderoso.
Este é o aspecto positivo do mandamento. É muito importante percebermos que todas as vezes que aparece nos mandamentos e, em especial, no caso do Decálogo, a ênfase no aspecto negativo (Não, Não e Não), precisamos ressaltar o princípio positivo que está por trás dessas negativas. O propósito do Espírito Santo de Deus, nestas horas, é nos levar a assumir uma postura diferente e contrária daquela que está sendo condenada.
Os maiores eruditos, puritanos e piedosos homens de Deus do passado já nos ensinavam a preciosa lição que, neste primeiro mandamento, aprendemos e respondemos a seguinte pergunta fundamental para a vida de todo o ser humano: a quem devemos adorar? A resposta não poderia ser outra: ao único e verdadeiro Deus!
(Fonte: Devocionário Cada Dia - Diogo Jorge Gonçalo)


7 de jan de 2015

Totalmente Equipados.



"Não há ferramenta mais valiosa do que a Palavra de Deus para nos tornar perfeitamente habilitados para a sobrevivência espiritual e crescimento pessoal."