25 de jun de 2012

A BUSCA




25 de junho de 2012

A busca

Anne Cetas
João 6:42-51
Ninguém pode vir a mim se o Pai, que me enviou, não o trouxer… —João 6:44
Salmos 94–96
Tiago foi diagnosticado com problemas cardíacos, e sua esposa, Rebeca, já não podia mais cuidar dele ou de si mesma de maneira apropriada. Começaram então a procurar por uma casa de repouso. Uma das primeiras perguntas que Rebeca fazia quando visitava cada uma delas era: “Vocês servem alimentos pastosos?” Ela se preocupava, pois Tiago precisava ter o tipo de alimento adequado à sua dificuldade de engolir. Muitos lugares respondiam “não” e ela continuava sua busca. Finalmente ouviu um “sim” em uma casa cristã de repouso.
Apesar de não crerem em Jesus e terem frequentemente discutido sobre Ele com um vizinho cristão, Tiago e Rebeca escolheram aquele lar por causa da comida pastosa. Eles começaram a frequentar os cultos na capela, ouviram o evangelho e sentiram-se bem cuidados pelos funcionários do local. Certo dia Tiago entregou sua vida a Cristo. Ele acredita que Deus o estava seguindo (João 6:44) e que usou a comida pastosa para trazê-los àquele lar cristão onde ele recebeu cuidado do povo de Deus e ouviu sobre o perdão de Cristo.
A conversão é uma obra de Deus; Ele atrai pessoas a si em amor e usa as circunstâncias, Sua Palavra, pessoas e até mesmo a comida pastosa para sensibilizar os corações. Encoraje-se a testemunhar sobre o Pai. Ele usará as suas palavras e ações para tocar aqueles que precisam de Cristo.
Carinho e Amor
Fernanda A. Ferreira

16 de jun de 2012

CRACK: INDEPEDÊNCIA OU MORTE











CRACK: INDEPEDÊNCIA OU MORTE



Vi em algumas rodovias de São Paulo um outdoor com a seguinte frase: "Crack: independência ou morte". Pura verdade! O crack tem escravizado e ceifado muitos jovens precocemente. Tem sido um pesadelo para a família e uma tragédia para a nação. Produz dependência desde o primeiro uso e tem arrastado nossa juventude ao fundo do poço. O crack é uma frande: Fuja das drogas! Sua vida tem valor: Fuja das drogas! Sua família é preciosa: Fuja das drogas! Seus pais amam você: Fuja das drogas! Deus ama você: Fuja das drogas! Ainda há esperança: Fuja das drogas!


Hernandes Dias Lopes.



Carinho e Amor.
Fernanda A. Ferreira

15 de jun de 2012

Vozes da Reforma: Fala Sério Varão faz o 1º aniversário!

Vozes da Reforma: Fala Sério Varão faz o 1º aniversário!: Aniversário de 1 ano Assista agora ao vídeo de Aniversário do Fala Sério Varão TV: Fonte: http://www.falaseriovarao.blog...

A semaninha: Deus e o destino do homem...



A semaninha: Deus e o destino do homem...: “ Antes que os montes nascessem e se formassem a terra e o mundo, de eternidade a eternidade, tu és Deus” (Salmo 90.2). Eternidade.  O que s...

Deus e o destino do homem...

Deus e o Destino do Homem

Antes que os montes nascessem e se formassem a terra e o mundo, de eternidade a eternidade, tu és Deus” (Salmo 90.2).
Eternidade. O que significa essa palavra e por que motivo alguém deveria aceitar esse conceito, principalmente no que se refere ao destino do homem? Sabemos por experiência própria, e através da observação da natureza, que as coisas materiais se deterioram. A Segunda Lei da Termodinâmica nos diz que todo o universo está se desgastando, como um relógio que está perdendo a corda, e não vai durar para sempre. Portanto, é óbvio que ele teve um princípio, exatamente como diz a Bíblia.
Sabemos que o Sol não esteve sempre no céu, ou já teria consumido completamente todo o seu combustível. O mesmo vale para todas as outras estrelas. Fica claro, então, que houve uma época em que este universo não existia; nada existia, nem mesmo a energia da qual o universo parece ser constituído.
Por que o universo não poderia ter sua origem em alguma misteriosa energia cósmica que sempre existiu, sem ter tido um começo? Por causa da Segunda Lei da Termodinâmica, a lei da entropia. A energia não poderia ter existido desde sempre, desenvolvendo-se rumo a um “Big Bang” (“Grande Explosão”) que teria criado as estrelas e os planetas. Ela teria sofrido entropia antes de “explodir” – e explosões não criam ordem. Se o universo tivesse existido para sempre, agora tudo deveria ter a mesma temperatura: o calor sempre é transmitido para algo mais frio.
Além disso, a energia não tem nem intelecto, nem qualidades pessoais para fazer surgir a incrível complexidade da vida e para criar seres com personalidade própria. Inteligência e personalidade são imateriais e não poderiam ter sido geradas posteriormente a partir da energia ou da matéria e, portanto, devem tê-la precedido.
Não alguma força, mas um Ser pessoal de inteligência infinita e sem começo deve ter criado o universo. Não se trata da “causa original” da filosofia ou dos “deuses” do paganismo, que mudam, seguem seus caprichos e competem entre si. O Criador somente pode ser o “Eu Sou” que revelou a Si mesmo a Moisés na sarça ardente (Êxodo 3.14), o Auto-Existente sem começo e sem fim, de quem a Bíblia diz: “de eternidade a eternidade, tu és Deus” (Salmo 90.2).
Tudo que podemos ver – seja a olho nu, com um telescópio ou através de um microscópio eletrônico – veio do nada.
É óbvio que o intelecto e a personalidade são inteiramente diferentes da matéria e não são a substância constitutiva dela. Portanto, o universo não faz parte de Deus e nem é uma extensão dEle. Isso significa que tudo que podemos ver – seja a olho nu, com um telescópio ou através de um microscópio eletrônico – veio do nada. Isso é impossível, mas somos levados a essa conclusão pela própria lógica. Contudo, imaginar que a vida e a inteligência brotaram espontaneamente, por sua própria iniciativa e poder, do espaço morto e vazio, seria algo totalmente irracional. Portanto, alguma coisa diferente do universo e de seus componentes deve ter existido sempre.
Não alguma coisa, mas Alguém, sem início nem fim. Por que Alguém? Porque o universo, desde a estrutura atômica até uma célula humana, exibe uma ordem e uma complexidade tão extraordinárias que só uma inteligência infinita poderia ter planejado e executado – e nenhuma coisa, ou força, ou “poder superior” tem a capacidade de pensar, planejar e organizar. Além disso, a espécie humana é composta de personalidades individuais que têm a capacidade de conceber idéias conceituais, expressá-las em palavras ou desenhos e transformá-las em intrincadas estruturas que não existem na natureza. Os seres humanos também têm a capacidade de sentir amor e ódio, alegria e tristeza, perceber a justiça e a injustiça, e raciocinar sobre sua própria existência e destino.
Só uma Pessoa infinita poderia criar pessoas. Portanto, as evidências e a lógica nos levam a concluir que este universo só poderia ter começado a existir sob o comando de Alguém que não teve começo; Alguém que sempre existiu e que possui o gênio e o poder infinitos para trazer à existência todas as coisas e todos os seres, a partir do nada. Certamente não foi pela superstição corrente no Egito em seus dias, mas por revelação divina que Moisés declarou: “Antes que [...] se formassem a terra e o mundo [...] de eternidade a eternidade, tu és Deus [...] mil anos, aos teus olhos, são como o dia de ontem que se foi, e como a vigília da noite” (Salmo 90.2,4).
Este não é o deus do paganismo, das religiões indígenas, ou de qualquer uma das grandes religiões do mundo, tais como o budismo (pouquíssimos budistas acreditam em Deus), o hinduísmo, o islamismo e muitas outras, mas sim o Deus da Bíblia que, do modo como é descrito nas Escrituras, qualifica-se de forma única e singular para ser o Criador de todas as coisas. Não consideramos o cristianismo como sendo uma das religiões do mundo, mas sim como algo inteiramente distinto de todas elas.
No princípio, criou Deus os céus e a terra.
A Bíblia jamais tenta provar a existência de Deus. Ela simplesmente a toma como um fato. Ela também não tenta explicar o que está além da nossa capacidade de compreensão. A Escritura simplesmente declara, no primeiro versículo: “No princípio, criou Deus os céus e a terra” (Gênesis 1.1). Em gratidão ao Deus que o criou, o rei Davi afirmou: “Graças te dou, visto que por modo assombrosamente maravilhoso me formaste; as tuas obrassão admiráveis, e a minha alma o sabe muito bem” (Salmo 139.14).
A ciência não foi, nem jamais será capaz de verificar, refutar ou aperfeiçoar essa declaração. Não podemos compreendê-la, mas devemos aceitá-la pela fé. Aqui temos um exemplo do que é a fé: um passo que nada tem de irracional, mas sim uma trajetória racional que pondera as evidências e segue a lógica até o ponto em que a razão consegue alcançar, e depois dá mais um passo além da razão, mas sempre na direção e no sentido que as evidências e a razão indicaram.
A Bíblia expressa esse princípio da seguinte forma: “Pela fé entendemos que foi o universo formado pela palavra de Deus, de maneira que o visível veio a existir das coisas que não aparecem” (Hebreus 11.3). Alguns autores já disseram que essa foi a primeira formulação da teoria atômica. Não, isso não é teoria; é a afirmação de um fato nas palavras do próprio Deus. No entanto, temos de ter o cuidado de não ler nesse versículo mais do que ele realmente diz. Ele não diz que tudo foi formado de algo invisível. Ele não diz, igualmente, que o universo foi formado de alguma coisa.
O que Hebreus 11.3 nos diz é que o universo visível não foi feito de algo visível, pois isso implicaria dizer que alguma coisa visível sempre existiu e que o universo foi simplesmente fabricado com os materiais disponíveis. Mas ele não poderia ter sido criado dessa forma, porque não existe nada visível que seja eterno. Na verdade, o universo foi criado pela Palavra de Deus: “Disse Deus: Haja [...]” (Gênesis 1.3,6,9, e outros), e tudo que é visível passou a existir em obediência à Sua Palavra. Essa mesma Palavra que criou e sustenta todas as coisas falará novamente, e tudo que é visível na velha criação se dissolverá e tornará ao nada: “Ora, os céus que agora existem e a terra, pela mesma palavra, têm sido entesourados para fogo, estando reservados para o Dia do Juízo e destruição dos homens ímpios” (2 Pedro 3.7).
Muito antes da formulação da Segunda Lei da Termodinâmica, Jesus afirmou muito claramente: “Passará o céu e a terra” (Mateus 24.35). Entretanto, o universo não está destinado, simplesmente, a se desgastar devido à passagem de incontáveis bilhões de anos. Sob a inspiração do Espírito Santo, Pedro explicou que toda a vida existente na face da terra será sumariamente eliminada e o universo inteiro será destruído por Deus como castigo pela rebelião do homem e de Satanás. Em seu lugar, será criado um novo universo: “[No] Dia do Juízo [...] os céus passarão com estrepitoso estrondo, e os elementos se desfarão abrasados; também a terra e as obras que nela existem serão atingidas [...] os céus, incendiados, serão desfeitos [...] Nós, porém, segundo a sua promessa, esperamos novos céus e nova terra, nos quais habita justiça” (2 Pedro 3.7-13).
A palavra “céus” é usada de duas formas na Escritura: significando tudo o que há de físico no espaço dimensional exterior à terra, e referindo-se à habitação imaterial de Deus, que Jesus indicou quando disse: “Na casa de meu Pai há muitas moradas” (João 14.2). Um significado refere-se a algo visível e temporal, enquanto o outro fala de algo invisível e eterno. Este universo visível e temporário não é tudo o que existe. Há uma outra dimensão de existência que não é física nem visível – e que não se desgasta nem envelhece com a passagem do tempo, não pode ser destruída e jamais deixará de existir. (Dave Hunt -http://www.chamada.com.br)

Carinho e Amor.
Fernanda

14 de jun de 2012

Como viver sem Deus?


14 de junho de 2012

O cordeiro que é leão

C. P. Hia
Apocalipse 5:1-12
…para que ao nome de Jesus se dobre todo joelho […] e toda língua confesse que Jesus Cristo é Senhor. —Filipenses 2:10-11
Salmos 61–63
No livro de Apocalipse 5, o apóstolo João retrata Jesus, o Leão de Judá (v.5), como um cordeiro ferido (v.6). Ao mencionar essa figura descritiva, o pregador Charles Spurgeon perguntou: “Por que nosso exaltado Senhor deveria aparecer em glória com Suas chagas?” E ele mesmo respondeu: “As chagas de Jesus são Sua glória.”
O símbolo de um cordeiro não representa, tipicamente, poder e vitória. A maioria das pessoas prefere símbolos de força que as convidem à admiração. No entanto, Deus escolheu ser encarnado como um bebê, parte do lar de um pobre carpinteiro. Ele viveu como pregador itinerante e morreu “…como cordeiro foi levado ao matadouro…” (Isaías 53:7) em uma cruz romana. Todos, incluindo Seus discípulos, pensaram que Sua crucificação significava o fim do único que havia ousado desafiar a ordem religiosa estabelecida de Seus dias. Mas quando Jesus Cristo ressuscitou, Ele demonstrou de maneira poderosa o incomparável poder e a glória de Deus.
Está chegando o dia em que Jesus retornará em glória para governar o que lhe é de direito. Nesse dia, todos se curvarão diante dele e dirão: “…Digno é o Cordeiro que foi morto de receber o poder, e riqueza, e sabedoria, e força, e honra, e glória, e louvor. ” (Apocalipse 5:12). Jesus, o cordeiro que também é o leão, merece nosso louvor!
Para honrar nosso Rei, cantamos Seus louvores.
CARINHO E AMOR
FERNANDA

ANEL DE COMPROMISSO...

13 de jun de 2012

Vila Esperança Pede Socorro...Ajude por favor....Não ignore...

Deus não te abandona...

O melhor professor...





13 de junho de 2012

O melhor professor

Dave Branon
Salmo 1
Bem-aventurado o homem que não anda no conselho dos ímpios… —Salmo 1:1
Salmos 58–60
Ao conversar com jovens a respeito de como se preparar para o futuro, ouvi muitos dizerem o seguinte: “Precisamos viver como o mundo, passar por situações mundanas para nos fortalecermos.”
Este tipo de pensamento tem engolido muitos cristãos imaturos e eventualmente os afasta de Deus. Sim, estamos no mundo (João 17:15) e somos expostos a contextos não-cristãos (escola, trabalho, vizinhança), mas precisamos ser cuidadosos para que a exposição a tais situações não nos leve a adotar filosofias mundanas. Todos nós amadureceríamos mais rapidamente se seguíssemos o padrão divino sugerido em Salmo 1:1.
Primeiro, não deixemos que nossas decisões e escolhas sejam controladas pelo “conselho do ímpio”. Segundo, não deveríamos nos colocar em posições em que aqueles que não conhecem Jesus possam influenciar indevidamente nosso processo de pensamento. Terceiro, evitemos nos acomodar confortavelmente com aqueles que zombam de Deus, de Sua Palavra e de Seu papel em nossas vidas a ponto de sua maneira de pensar ser correta para nós.
O conselho vindo de tais fontes nos afasta de Deus. É melhor sermos treinados, guiados e recebermos conselho da santa Palavra de Deus e daqueles que a conhecem e a amam. Nosso melhor professor é Deus e Sua Palavra, não nossas experiências.
Deixe que a Palavra de Deus preencha sua memória, governe seu coração e oriente sua vida.
Carinho e Amor
Fernanda

12 de jun de 2012

Amável...

A Incompreensível Escolha de Deus



Terça-feira 12 Junho

Também nos elegeu nele antes da fundação do mundo, para que fôssemos santos e irrepreensíveis diante dele em amor
(Efésios 1:4).

A INCOMPREENSÍVEL ESCOLHA DE DEUS

Deus escolheu os pecadores arrependidos e santificados da era da graça para estarem “diante dEle” na eternidade, ou seja, em Sua presença. Essa é uma das bênçãos inestimáveis que Ele nos concedeu em Cristo, e pela qual O louvaremos eternamente.
Para estar na presença de Deus, o estado moral do homem tem de corresponder ao caráter e natureza do próprio Deus, pois somente o que é moralmente similar a Ele mesmo pode agradá-Lo. Portanto, todos os que foram escolhidos para ocuparem tal posição devem ser “santos e irrepreensíveis”.
Mas o amor de Deus não se satisfaz apenas com isso. Fazer os seres humanos habitarem no mais alto e sublime lugar imaginável para uma criatura, diante dEle sem vergonha ou medo, não é suficiente para o amor divino, que deseja lhes dar uma natureza capaz de apreciar e corresponder aos Seus próprios sentimentos. Por isso fomos escolhidos para sermos “santos e irrepreensíveis diante dele em amor”.
Como Deus pôde escolher pessoas como nós para um tão maravilhoso propósito, antes da fundação do mundo? Nós que éramos pecadores perdidos, inimigos de Deus, mortos em delitos e pecados? A resposta é: Cristo e o que Ele faria por nós, e o que nós seríamos nEle.
Estamos “em Cristo”; O recebemos como nossa vida. Posicionalmente, portanto, estamos diante de Deus em um estado de perfeição e desfrutamos de Seu favor. O fato dEle ter nos escolhido não se relaciona em nada com nosso caráter anterior, nem com o que fizemos de “bom” ou mau. Foi, e é, por Seu incompreensível amor!

Carinho e Amor
Fernanda A. Ferreira

INSTRUMENTO DE BÊNÇÃO


Terça, 12 de junho de 2012

INSTRUMENTO DE BÊNÇÃO



“...estivesse diante do profeta que está em Samaria; 
ele o restauraria da sua lepra.” 
2Rs 5.3

A vida dessa menina é narrada em três versículos e a Bíblia omite mais detalhes. Não há menção de nome, idade ou referências à personalidade dela. O que se sabe é que ela era uma jovem de Israel, levada cativa para a Síria como escrava da mulher de Naamã, comandante do exército. Aparentemente, alguém com motivos de sobra para alimentar ódio dentro de si. Todavia, a menina foi instrumento de Deus para mudar radicalmente a vida do homem responsável por subjugar o seu povo (2Rs 5.1). Militar de carreira, Naamã era herói da guerra, porém leproso, uma doença incurável na época. Foi ela quem falou sobre Eliseu, o profeta de Deus, como alguém capaz de apontar a cura da doença de Naamã.

Uma jovem que decidiu deixar lindas marcas na vida das pessoas ao invés de se lamentar pelas tristes marcas que lhe foram deixadas. Quis ser instrumento de bênção, não recipiente de amargura e rancor. Decidiu pagar o mal com o bem. Preferiu dar amor a retribuir com vingança. A menina ofereceu o que Naamã precisava e não o que merecia.

ORE


Senhor, usa-me como instrumento de bênção na vida de outras pessoas. Quero aproveitar os meus dias para apontar o caminho da salvação a quem quer que seja. Em nome de Jesus. Amém.


“...estivesse diante do profeta que está em Samaria; 
ele o restauraria da sua lepra.” 
2Rs 5.3

A vida dessa menina é narrada em três versículos e a Bíblia omite mais detalhes. Não há menção de nome, idade ou referências à personalidade dela. O que se sabe é que ela era uma jovem de Israel, levada cativa para a Síria como escrava da mulher de Naamã, comandante do exército. Aparentemente, alguém com motivos de sobra para alimentar ódio dentro de si. Todavia, a menina foi instrumento de Deus para mudar radicalmente a vida do homem responsável por subjugar o seu povo (2Rs 5.1). Militar de carreira, Naamã era herói da guerra, porém leproso, uma doença incurável na época. Foi ela quem falou sobre Eliseu, o profeta de Deus, como alguém capaz de apontar a cura da doença de Naamã.

Uma jovem que decidiu deixar lindas marcas na vida das pessoas ao invés de se lamentar pelas tristes marcas que lhe foram deixadas. Quis ser instrumento de bênção, não recipiente de amargura e rancor. Decidiu pagar o mal com o bem. Preferiu dar amor a retribuir com vingança. A menina ofereceu o que Naamã precisava e não o que merecia.

ORE


Senhor, usa-me como instrumento de bênção na vida de outras pessoas. Quero aproveitar os meus dias para apontar o caminho da salvação a quem quer que seja. Em nome de Jesus. Amém.

Carinho e Amor.
Fernanda A. Ferreira

7 de jun de 2012

TEMPOS DIFÍCEIS...


O apóstolo Paulo, que nos deu as características mais descritivas dos “últimos dias”, chamou-os de “tempos difíceis” – particularmente ao descrever os costumes da humanidade durante os últimos dias da Igreja um pouco antes do retorno de Cristo (2 Tm 3). Ele usou termos como “egoístas, avarentos, jactanciosos, arrogantes, blasfemadores, desobedientes aos pais, ingratos, irreverentes, desafeiçoados, implacáveis, caluniadores, sem domínio de si, cruéis, inimigos do bem, traidores, atrevidos, enfatuados, mais amigos dos prazeres que amigos de Deus, tendo forma de piedade, negando-lhe, entretanto, o poder...” (2 Tm 3.2-5). Poderíamos passar semanas apenas ilustrando tais comportamentos olhando as páginas de qualquer jornal, desde o caderno dos esportes até o das celebridades.


No entanto, este é somente um dos sinais visíveis do fim. Nosso Senhor, em Sua maravilhosa profecia sobre os últimos dias, ilustrou estes dias começando com uma guerra mundial iniciada por nações que entraram em conflito, no qual se envolveram os reinos do mundo (Mt 24.1-8 e Lc 21.7-36). Creio que isso começou com o que os historiadores chamam de “I Guerra Mundial”, de 1914 a 1918, quando o arquiduque da Áustria foi assassinado por um sérvio, e outras nações do mundo entraram no conflito até que todos os países estavam oficialmente envolvidos ou enviando mercenários para lutar em um dos lados. Em ambas as passagens, nosso Senhor disse que a guerra seria apenas uma parte dos sinais, pois aconteceriam também “grandes terremotos, epidemias e fome em vários lugares (ou seja, ao mesmo tempo), coisas espantosas e também grandes sinais do céu” (Lc 21.11). Estas coisas começaram a ocorrer quase um século atrás e têm transformado a face do nosso mundo. Na I Guerra Mundial, um dos destaques dos EUA foi um atirador de elite do Kentucky que se distinguiu nos campos de batalha da Europa. Apenas meio século mais tarde, eles desenvolveram a bomba atômica, que matou quase 150.000 pessoas em um único dia. Ela acabou forçando o Japão, que havia declarado guerra contra a América, a se render e assim finalizar a terrível II Guerra Mundial.




“haverá homens que desmaiarão de terror e pela expectativa das coisas que sobrevirão ao mundo; pois os poderes dos céus serão abalados” (Lc 21.26).


Mas os sinais do fim não se encerraram. Os grandes líderes do mundo, no afã de ter “paz mundial”, fundaram as Nações Unidas. Muitos deles nem imaginavam que estavam montando o palco para o Anticristo e seu sistema governamental mundial. Esse sistema irá reger o mundo durante os sete anos de tribulação que Daniel, o grande profeta hebreu, predisse para o tempo que antecede a Gloriosa Aparição de Cristo para estabelecer Seu Reino Milenar que introduzirá verdadeira paz mundial.


Com toda a probabilidade, os comunistas secretos dentre os grandes planejadores mundiais (como Alger Hiss e outros que prepararam a Carta da ONU, que sempre favoreceu os comunistas e socialistas) redigiram um documento que suga os recursos financeiros dos Estados Unidos [para a manutenção da entidade mundial]. Os EUA são a única nação que tem sido capaz de preservar ao menos certo período de paz. Em minha opinião, a ONU só fez uma coisa boa: o breve cumprimento de uma profecia bíblica em 1948, quando aceitou oficialmente o pequeno Estado de Israel como uma nação estabelecida. No entanto, isso também aconteceu em “tempos difíceis” ou “turbulentos”, como foi predito nas profecias. O que poderia ter sido uma grande bênção para o mundo tornou-se, em vez disso, um tempo de sofrimento para milhões – exceto para aqueles que fazem parte da manipulação do adversário nos acontecimentos mundiais. Isso comprova mais uma vez que sem Deus o homem é incapaz de produzir “justiça social”, a respeito da qual ouvimos tanto hoje em dia. Sem Deus, o homem não pode fazer nada!


Na última metade do século passado ocorreram muitos dos sinais a que nosso Senhor se referiu em ambas as afirmações feitas no Monte das Oliveiras nos momentos finais de Seu ministério (Mt 24 e Lc 21). Eu chamo esses sinais de astrológicos, pois envolvem “sinais no sol, na lua e nas estrelas; sobre a terra, angústia entre as nações em perplexidade por causa do bramido do mar e das ondas; haverá homens que desmaiarão de terror e pela expectativa das coisas que sobrevirão ao mundo; pois os poderes dos céus serão abalados” (Lc 21.25-26).


Não é de se admirar que tenha aumentado o número de leigos que perguntam: “Estamos muito pertos da vinda do Senhor?”, ou: “São estes os sinais dos últimos dias?”, e assim por diante. De fato, nos últimos dois meses, em algumas de nossas conferências proféticas, tenho ouvido mais dessas perguntas do que a pergunta que se fazia anteriormente: “O atual presidente dos EUA é o Anticristo?”. E sempre, como tenho escrito, respondia com um NÃO, porque ele não tem a nacionalidade correta! Daniel predisse que o Anticristo será um romano (Dn 9.26-27).


Há um princípio que a maioria dos eruditos em profecia realça no Sermão de Jesus no Monte das Oliveiras após a conclusão da primeira etapa de sinais: I Guerra Mundial, fomes, epidemias e terremotos em vários lugares ao mesmo tempo. Ele disse: “porém tudo isto [as quatro partes do primeiro sinal] é o princípio das dores” (Mt 24.8). Jesus utilizou uma expressão hebraica familiar comparando esses sinais com uma mulher no princípio das dores do parto. Quando uma mulher sente as primeiras dores do iminente nascimento de sua criança, ela não vai correndo para a maternidade. Em vez disso, ela espera pelas dores que ainda virão. Em um primeiro momento, elas geralmente são esporádicas, porém, quanto mais próximo do nascimento, as dores se tornam mais freqüentes e mais intensas. Os médicos dizem às suas pacientes que se as dores ocorrerem em um intervalo de três minutos durante mais ou menos dez minutos elas devem ir imediatamente para a maternidade.




“Vigiai, pois, a todo tempo, orando, para que possais escapar de todas estas coisas que têm de suceder e estar em pé na presença do Filho do Homem” (Lc 21.36).


Assim será com os sinais do “fim” ou a vinda de Cristo. A primeira dor de parto é apenas a primeira dor. Depois, haverá outras dores ou sinais e eles aumentarão em freqüência e intensidade. É o que vemos hoje. Não vi o primeiro sinal em 1914-18, pois nasci doze anos mais tarde. Mas li sobre aquelas quatro partes daquele primeiro sinal e sobre a primeira tentativa de formar um governo mundial no ano seguinte: a criação da Liga das Nações e a revolução bolchevique que transformou a Rússia numa superpotência, como Ezequiel predisse nos capítulos 38-39. Temos visto como o Estado de Israel foi criado em 1948 e tem sido um lugar “turbulento” até os dias atuais, e como os filhos árabes de Ismael, os vizinhos de Israel, têm sido seus inimigos implacáveis, jurando que alcançarão sua destruição.


Esses eventos impressionantes são miraculosos, mostrando claramente como a profecia bíblica é, de fato, confiável. A Rússia não era nada no cenário mundial até que os comunistas bolcheviques assumiram o controle; hoje a Rússia é a primeira ou segunda nação mais perigosa no mundo. E, pela primeira vez, ela é aliada dos filhos de Ismael, compartilhando um ódio mútuo pelo povo escolhido que por milagre tornou-se uma nação. Pois nenhum povo na história conseguiu sobreviver fora de sua terra natal por mais de 300 anos, exceto Israel. Esse povo foi espalhado ao redor do mundo por mais de 1900 anos e deveria ter desaparecido. Contudo, ele resistiu a perseguições cruéis e tentativas de extinção, e acabou voltando à sua terra no século passado, como Deus havia dito. Agora são quase 6 milhões na terra que Deus lhes prometeu como lembrete perpétuo de como Ele mantém Sua Palavra.


Conclusão


Então, o que aprendemos disso tudo? Muito simples: que Jesus está voltando para arrebatar Sua Igreja e isso pode acontecer muito em breve. As Suas palavras não poderiam ser mais oportunas: “Passará o céu e a terra, porém as minhas palavras não passarão. Acautelai-vos por vós mesmos, para que nunca vos suceda que o vosso coração fique sobrecarregado com as conseqüências da orgia, da embriaguez e das preocupações deste mundo, e para que aquele dia não venha sobre vós repentinamente, como um laço. Pois há de sobrevir a todos os que vivem sobre a face de toda a terra. Vigiai, pois, a todo tempo, orando, para que possais escapar de todas estas coisas que têm de suceder e estar em pé na presença do Filho do Homem” (Lc 21.33-36).


Carinho e Amor.
Fernanda A. Ferreira

HORSE...

ALEGRIA E CORAGEM...

5 de jun de 2012

Desperte você também...




Há uma guerra invisível ao nosso redor, e hoje é necessário que haja um moderno Paul Revere* que nos diga para despertarmos!


O inimigo vem vindo e precisamos fazer soar o alarme. O triste de tudo isso é que muitos filhos de Deus estão em sono profundo quando deveriam estar acordados. A Igreja está adormecida, no aconchego de seus bancos, com as cobertas sobre sua cabeça; e o santuário está no escuro. O despertador de Deus está soando e precisamos nos levantar. Este não é o momento de apertarmos a tecla “Snooze” (cochilo)!


Assim como aconteceu em 1775 nos Estados Unidos, quando os sinais da luz de duas lanternas deram o aviso de que a destruição estava às portas, hoje a luz da Palavra de Deus está difundindo um outro aviso sobre um perigo muito mais profundo. Já recebemos um chamado para despertar por meio da Palavra de Deus – alguém está ouvindo?


“E digo isto a vós outros que conheceis o tempo: já é hora de vos despertardes do sono; porque a nossa salvação está, agora, mais perto do que quando no princípio cremos. Vai alta a noite, e vem chegando o dia. Deixemos, pois, as obras das trevas e revistamo-nos das armas da luz” (Rm 13.11-12).


De acordo com o relógio de Deus, é hora de acordar. O apóstolo Paulo chamou os santos em Roma para despertarem. Quanto mais nós não necessitaríamos de seu chamado nos dias de hoje! Há anarquia no mundo todo, apostasia na Igreja, e apatia nos bancos das igrejas.


Provavelmente é muito mais tarde do que muitos de nós imaginamos. Este mundo está com a moral em queda livre como nunca esteve antes na história. O alarme já soou, e precisamos prestar atenção ao chamado. Mas, o que as pessoas estão fazendo? Estão se virando para lá e para cá e bocejando diante da face de Deus. Paulo diz: “já é hora de vos despertardes” e “vai alta a noite”.


Nesta era, já é mais tarde do que você pensa. Eu creio que Jesus está às portas. Creio que a trombeta já vai tocar. Cristo voltará em breve e é apenas a mão controladora do Deus Todo-Poderoso e o Espírito Santo que mantêm as portas do mal fechadas da forma como estão.


Oro para que o Espírito Santo escreva em nossos corações três coisas que o apóstolo Paulo disse à igreja de Roma e que fazem todo o sentido para a Igreja de hoje.


Desperte!




Há muitas coisas que você pode fazer, mas o tempo é curto; e todas as suas ações para ganhar almas só poderão ser realizadas enquanto você estiver aqui na Terra.


Já é muito mais tarde no tempo da oportunidade (veja 2 Co 6.2) do que você imagina. Temos agora oportunidades sem precedentes para pregar o Evangelho de Jesus Cristo. Quando esteve aqui na Terra, Jesus disse: “É necessário que façamos as obras daquele que me enviou, enquanto é dia; a noite vem, quando ninguém pode trabalhar” (Jo 9.4).


Você sabe o que há de errado na igreja de hoje? Muitíssimos sermões são mais como historinhas de ninar do que como toques de alvorada. O despertador de Deus está soando por todos os lados ao nosso redor. Jesus virá como um ladrão de noite. O apóstolo Paulo disse: “Pois vós mesmos estais inteirados com precisão de que o Dia do Senhor vem como ladrão de noite. Mas vós, irmãos, não estais em trevas, para que esse Dia como ladrão vos apanhe de surpresa” (1 Ts 5.2,4).


Como podemos nos sentar confortavelmente nos bancos da igreja quando a civilização está se desintegrando ao nosso redor? A noite já vai alta. Tantas de nossas igrejas estão como Sansão, adormecido nos braços de Dalila. Então, quando finalmente acordarmos, não saberemos que o Espírito já se ausentou de nós.


Pode ser mais tarde em sua vida do que você imagina. Você tem apenas alguns dias a mais, algumas horas de sobra, para servir ao Senhor Jesus: “Que é a vossa vida? Sois, apenas, como neblina que aparece por instante e logo se dissipa” (Tg 4.14).


Há muitas coisas que você pode fazer, mas o tempo é curto; e todas as suas ações para ganhar almas só poderão ser realizadas enquanto você estiver aqui na Terra. E já pode ser mais tarde nesse tempo da oportunidade do que você imagina.


Lave-se!


Esta não é apenas a hora de despertarmos, mas é a hora de nos lavarmos. Romanos 13 diz para nos despirmos das orgias e bebedeiras, impudicícias e dissoluções, contendas, ciúmes e inveja. Contenda significa o desejo pelo poder. Inveja é querer mais e querer aquilo que o outro tem. Se seu coração é um quartel-general para o ódio, se você está cheio de ciúmes e de desejos insatisfeitos, essas são obras das trevas. Deus fala para você se despir dessas coisas.




A vida é curta demais. A eternidade é longa demais. As almas são preciosas demais. O Evangelho é maravilhoso demais para estarmos dormindo o tempo todo. Você já ouviu o alarme.


Fico abismado de que hoje não haja nenhum senso de vergonha. Temos toda uma geração de “pessoas que não se ruborizam”, pessoas que cometem imoralidades e não se envergonham. Alguém disse que o homem é o único animal que fica ruborizado – ou que deveria ficar ruborizado. “Serão envergonhados, porque cometem abominação sem sentir por isso vergonha; nem sabem que coisa é envergonhar-se” (Jr 6.15). Como precisamos nos achegar ao Senhor em honestidade e confissão!


Vista-se!


Não é apenas hora de despertarmos, mas também é hora de nos vestirmos. Este é o âmago, o clímax da questão: “Deixemos, pois, as obras das trevas e (...) revesti-vos do Senhor Jesus Cristo” (Rm 13.12,14).


O que devemos fazer após termos acordado e nos lavado? Revestir-nos de Jesus. Vista-se com o Senhor Jesus Cristo. Revista-se dEle para buscar direcionamento porque Ele é o Senhor. Você precisa ter alguém que possa revesti-lo em trajes de justiça, que possa protegê-lo, purificá-lo, e mantê-lo puro. Revista-se dEle para obter libertação porque Ele é o Salvador. Revista-se dEle para obter domínio porque Ele é o Rei Messias, o Senhor dos senhores. Eu devo revestir-me de Jesus como minha armadura de luz.


Onde você acha que nós estamos como cultura, como igreja, e como cristãos individualmente? Paulo fez soar o alarme no primeiro século, e nós também precisamos fazer soar o alarme hoje. Já se faz tarde, a noite já vai alta. Logo Ele virá com o som da trombeta. É melhor fazermos agora aquilo que pretendemos fazer por Jesus.


A vida é curta demais. A eternidade é longa demais. As almas são preciosas demais. O Evangelho é maravilhoso demais para estarmos dormindo o tempo todo. Você já ouviu o alarme. Agora você pode virar-se para o lado e apertar a tecla do “cochilo”, ou levantar-se, lavar-se e se vestir! (Adrian Rogers - Israel My Glory.


Carinho e Amor.
Fernanda A. Ferreira

AS TENTAÇÕES SURGIRÃO Á SUA PORTA...

AS TENTAÇÕES SURGIRÃO Á SUA PORTA; NÃO AS CONVIDE PARA ENTRAR.


COM A AJUDA DE DEUS ABANDONE O PECADO E ENCONTRE O CAMINHO QUE ELE LHE OFERECE. (1 CORINTIOS 10:13)



CARINHO E AMOR
FERNANDA.

2 de jun de 2012



União sincera...

"Antes, sede uns para com os outros benignos, compassivos, perdoando-vos uns aos outros, como também Deus, em Cristo, vos perdoou." (Efésios 4:32).

Tratemos os outros como gostaríamos de ser tratados, lembrando que nem sempre sabemos que tipo de fardo eles podem estar carregando.
Pense bem antes de agir..



Carinho e Amor
Fernanda.